Problemas na visão causam aumento nos acidentes de trânsito

Segundo dados da ONU de janeiro de 2018, O Brasil está em quarto na lista de países com mortes no trânsito. Muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas se as pessoas cuidassem mais de sua visão. Isso é consequência da falta de prevenção da maioria dos brasileiros, os quais só fazem o check-up ocular no momento de renovação da CNH, que acontece a cada 5 anos para motoristas com até 65 anos, e a cada 3 anos para quem já passou dos 65 anos. Nesses períodos entre um check-up e outro, podem ocorrer grandes mudanças na saúde da visão, principalmente a partir dos 40 anos, quando os olhos ficam mais sensíveis a qualquer dano.

Para aqueles que costumam pegar a estrada, seja a trabalho ou a lazer, separamos algumas dicas que podem evitar acidentes na estrada:

Dicas para evitar acidentes da estrada

  • Não esqueça os óculos ou lentes de contato. Conduzir o veículo sem utilizar qualquer dessas lentes corretoras é infração gravíssima, sujeito à multa e retenção do veículo.
  • Lentes amarelas no período da noite pode reduzir a sensação de ofuscamento na estrada.
  • Em viagens mais longas, é aconselhável parar pelo menos a cada duas horas de estrada para lavar o rosto, o que não só lubrifica os olhos ajuda a inibir o sono, que é normal, principalmente a noite.
  • Opte por lentes anti-reflexo e com proteção ultravioleta, para amenizar a luz do sol e proteção à catarata.
  • Se você tem mais do que 40 anos, exames periódicos são mais do que recomendáveis. É após essa idade que a visão cansa, e são mais comuns os casos de presbiopia, catarata e glaucoma.
  • Cuidado! Se o reflexo dos faróis embaça a sua visão por um tempo maior do que o normal talvez esteja na hora de consultar um oftalmologista.

Em resumo, dê atenção especial à sua visão e visite um oftalmologista rotineiramente, além de garantir sua saúde ocular, você poderá evitar futuros problemas a você e sua família.

A importância de fazer consultas periódicas a um oftalmologista

A maioria das pessoas pensa que só deve consultar com um oftalmologista quando está com perda parcial ou total da visão, na verdade a oftalmologia é uma especialidade que se deve ter prevenção. Segundo o censo de 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 6,5 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência visual, a nível mundial esse número chega a 40 milhões, segundo a Organização Mundial da Saúde. Com isso, pode-se ter uma noção do quão importante é o cuidado que se deve ter com visão.

Não importa qual seja a sua idade, é importante que você faça um diagnóstico anualmente junto a um oftalmologista, para ter certeza que está tudo bem, e se não está, tomar medidas para solucionar o quanto antes, o problema. A primeira visita ao oftalmologista deve acontecer logo após o nascimento e aos seis meses, depois com visitas de dois em dois anos, entre os dois e seis anos de idade. Depois desse período a consulta é anual.

Os cuidados com a saúde ocular pode ser dividida em seis fases:

Pré-Natal

Os primeiros cuidados começam durante a gravidez. O acompanhamento pré-natal é muito importante. Os exames solicitados pelo ginecologista ajudam a detectar doenças existentes e que podem comprometer a saúde do bebê, entre elas: rubéola e a toxoplasmose podem causar cegueira e problemas neurológicos.

Recém-nascido

Ao nascer, o bebê enxerga pouco. A visão se desenvolve no decorrer dos anos. A catarata e o glaucoma congênito podem ser detectados com o “teste do olhinho” ou reflexo vermelho. O exame é capaz de detectar várias doenças, entre elas o câncer ocular e a catarata congênita. Bebês podem apresentar nos primeiros dias de vida olhos vermelhos e lacrimejantes (dacriocistite) causados pela obstrução do canal lacrimal.

Infância

A visão alcança a maturidade aos cinco anos. É importante prestar atenção aos sintomas de problemas oculares nas crianças: lacrimejamento excessivo (indícios de obstrução do canal lacrimal ou glaucoma congênito), olho torto (vesguice ou estrabismo), dor de cabeça, mal estar e mesmo forçar a visão para realizar tarefas do cotidiano como ler, desenhar e escrever.

Período Escolar

Nesta etapa da vida os problemas comuns são os refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia).

Adolescência: as doenças refrativas podem ser corrigidas com uso de óculos, lentes de contatos ou ainda pela cirurgia para sanar o problema. No período da adolescência pode ocorrer o aparecimento do ceratocone, provocando irregularidades na córnea. O principal sintoma é coceira excessiva nos olhos. A doença não tem cura. O tratamento ajuda a melhorar a visão e reduzir a deformidade da córnea.

Adulto

Presbiopia popularmente conhecida como vista cansada, coceira nos olhos e lacrimejamento – a grande dificuldade é focalizar objetos próximos. Este problema pode ser solucionado com o uso de óculos e lentes de contato e normalmente ocorre a partir dos 40 anos.

No dia 7 de maio, é celebrado o dia do oftalmologista, uma das especialidades de nossa clínica, com isso, separamos algumas dicas para você manter a sua qualidade na visão:

  • Faça exames de acuidade visual ao menos uma vez ao ano;
  • Jamais use os óculos ou lentes de outras pessoas;
  • Não compre óculos por conta própria;
  • Proteja os olhos do sol usando óculos com lentes que protegem dos raios ultravioleta;
  • Utilize colírios somente por recomendação médica;
  • Use produtos ópticos originais e de qualidade;
  • No caso de irritação, lave-os bem com água corrente.

5 principais doenças do coração para você conhecer

Problemas cardiovasculares estão nas primeiras posições de doenças que mais matam no Brasil. Por isso, é importante conhecer as principais doenças do coração, para cuidar-se e evitar complicações.

Antes de tudo, é importante lembrar que a realização frequente de Check-Ups médicos é a melhor forma para diagnosticar precocemente e tratar enfermidades, que muitas vezes, ainda não manifestaram sintomas.

Alguns fatores causadores das doenças cardiovasculares não podem ser alterados, como a predisposição genética. Porém, maus hábitos agravam as consequências. A falta de exercícios físicos e o não cuidado com a alimentação levam à obesidade, fator que impacta consideravelmente a saúde do coração e coloca o paciente em risco.

 

5 principais doenças do coração

Arritmia

Trata-se de um distúrbio do batimento cardíaco. Quando muito rápido, chama-se taquicardia, quando muito lento, bradicardia, ou mesmo, irregular. A arritmia é causada por problemas no sistema elétrico de condução do coração, motivados por hipertensão, diabetes, artérias bloqueadas, hipertireoidismo, alcoolismo, fumo, consumo exagerado de cafeína, estresse e uso de drogas em geral.

 

Ataque cardíaco (infarto agudo do miocárdio)

Complicação provocada pela falta de sangue e oxigênio no músculo cardíaco, tendo como principais sintomas a transpiração em excesso, falta de ar, dor no peito e mal estar súbito. Ao identificar os sintomas, o paciente deve ser levado imediatamente ao hospital, já que cada minuto sem atendimento, o risco de morte aumenta proporcionalmente.

 

Doença vascular periférica

O acúmulo de gordura nas artérias periféricas (braços e pernas) é o gerador desse problema. Dores nos membros, queda de temperatura local e dormência são os principais sintomas quando acontece essa redução ou obstrução do fluxo sanguíneo.

 

Insuficiência cardíaca

Trata-se de uma complicação em que o coração não possui forças suficientes para bombear o sangue para o resto do corpo. É uma doença que se desenvolve com o passar do tempo, podendo afetar um dos lados do músculo cardíaco ou a totalidade dele. A manifestação pode ocorrer por dois tipos, a Sistólica, quando o coração não consegue bombear o sangue, e a Diastólica, quando os músculos ficam rígidos e não se enchem suficientemente de sangue.

 

Miocardite

Causada principalmente por bactérias, vírus, fungos, protozoários, doenças autoimunes, uso de determinados medicamentos e o consumo exagerado de álcool ou drogas. A miocardite trata-se da inflamação de um músculo do coração, chamado miocárdio e que muitas vezes não apresenta nenhum sintoma.

 

Hábitos importantes para evitar as principais doenças do coração

  • Controlar o colesterol sanguíneo;
  • Prevenir e controlar a diabetes;
  • Prevenir e controlar a hipertensão (pressão alta);
  • Manter um peso saudável;
  • Adotar uma dieta saudável;
  • Praticar exercícios físicos regularmente;
  • Ingerir álcool com moderação;
  • Não fumar.

Doenças respiratórias no outono: saiba como se proteger

O outono é a estação de transição entre o verão e o inverno, e nesta época a temperatura sofre mudanças bruscas. A combinação desse fator com a baixa umidade do ar, são causadores de diversas doenças respiratórias no outono. Devido às baixas temperaturas, as pessoas costumam ficar em locais fechados sem a ventilação de ar, o resultado disso são problemas inflamatórios e alérgicos, como resfriado, gripe, asma, laringite, bronquite, bronquiolite e pneumonia.

Outro fator que colabora com as complicações na saúde é o maior acúmulo de poluentes no ar devido à diminuição das chuvas, da temperatura e a baixa umidade atmosférica. Por isso, para se prevenir de doenças respiratórias no outono é necessário evitar ao máximo ficar por muito tempo em locais com grande circulação de veículos, além é claro, de evitar grandes aglomerações de pessoas.

Otite, sinusite, rinite e conjuntivite são outras patologias que podem se manifestar nessa estação. Todas as pessoas ficam expostas, mas crianças e idosos costumam ser os mais afetados por doenças respiratórias no outono. Isso acontece porque na infância o sistema imunológico ainda está em desenvolvimento, enquanto na terceira idade, esse sistema encontram-se debilitado.

Não é só o sistema respiratório que sofre com o outono, a pele também fica mais ressecada e como resultado, aparecem rachaduras e alergias, isso acontece porque ar mais seco e a baixa temperatura dificultam a dispersão de partículas de água.

 

Proteja-se contra as doenças respiratórias no outono

Se proteger, significa prevenir, por isso:

evite permanecer em ambientes fechados e pouco arejados com outras pessoas

– mantenha o seu organismo hidratado

lave as mãos frequentemente com água e sabonete líquido (e essa dica vale para o ano todo). Sempre que possível, faça também o uso de álcool gel

– tenha uma alimentação adequada e equilibrada com vitaminas e nutrientes que protejam o sistema imunológico

 

Dica extra:

Garanta a saúde do sistema respiratório no outono, mas também cuide da sua pele. Utilize hidratantes específicos para o rosto e outro para o corpo. Por fim, evite banhos muito quentes, pois eles favorecem o ressecamento da pele.

 

Siga as dicas, converse com o seu médico, previna-se de complicações e aproveite o melhor da estação!

Apendicite: saiba mais sobre essa condição

Apendicite é uma inflamação no apêndice, que se localiza próxima aos lado direito do intestino grosso. Esse problema se dá quando um corpo estranho, como pequenas porções de fezes, um parasita ou até sementes de frutas, obstrui essa estrutura, causando um inchaço e o aparecimento de um abcesso em sua ponta. Quando há essa secreção, acaba favorecendo a proliferação de bactérias.

Alguns sintomas são dores abdominais constantes na região do umbigo, inchaço abdominal, febre, vômito, entre outros.

Fatores de risco

A condição pode ocorrer com pessoas de qualquer idade, sendo mais frequente entre 10 é 30 anos. É importante buscar ajuda médica sempre que haver uma dor abdominal aguda, especialmente se ocorrer em uma criança, que tem dificuldade de explicar o que está sentindo.

Prevenção

Uma dieta rica em fibras, frutas e verduras pode ajudar a diminuir o risco do estacionamento de secreções no apêndice, uma vez que apendicite é um problema associado ao funcionamento do intestino.

Diagnóstico

Além do relato dos sintomas, o médico irá apalpar a região mais baixa à direita do abdômen, se ocorrer uma dor intensa nesse momento, pode-se indicar a presença de uma inflamação. Ainda, é solicitado um hemograma, que irá indicar se há mesmo a infecção. Ultrassom, radiologia e tomografia também são exames que podem auxiliar na exploração.
Tratamento

Para receber o tratamento adequado é essencial consultar com um médico especialista. Ele poderá receitar antibióticos, porém o único método com 100% de garantia e a extração do apêndice. Se sentir qualquer sintoma busque um médico e resolva seu problema.

Fonte: Saúde Abril

Benefícios do consumo de água

A água possui diversos nutrientes que são essenciais para o organismo, além da abundância de benefícios para a saúde. Com um consumo regular de água há uma melhora geral na saúde. A quantidade de água que consumimos diariamente tem um papel  essencial para o bom funcionamento é saúde do corpo.

Digestão e prisão de ventre

Ingerindo uma quantidade significativa de água diariamente aumentamos a taxa metabólica, o que significa que os alimentos que consumimos se decompõem apropriadamente. O que ajuda o sistema digestivo a ter um bom funcionamento, prevenindo assim, a prisão de ventre.

Pele saudável

A água auxilia na reposição de tecidos da pele, a hidratá-la e com o aumento da elasticidade. Quando ingerimos quantidade suficiente de água a pele fica hidratada é refrescada . Além disso, ela ajuda a pele a curar cicatrizes, acne, rugas e outros sintomas de envelhecimento.

Sistema imunológico

Ao receber a quantidade adequada de água o organismo melhora seu sistema imunológico. Assim, o corpo tem maior capacidade de lutar contra algumas doenças, como gripe, cálculos renais e ataque cardíaco.

Alívio da fatiga

Com um consumo de água baixo é comum se sentir constantemente cansado. A água elimina toxinas que não necessitamos e que podem prejudicar nossa saúde. E quando há pouca quantidade de água no corpo o coração necessita trabalhar mais, bombeando o sangue oxigenado a todas células e outros órgãos principais. Esses fatores fazem com que o corpo fique cansado pela baixa quantidade de água.

Dores de cabeça e enxaqueca

Em diversos casos de enxaqueca a principal razão e a desidratação. Logo, quando sentir dores de cabeça beba água, e veja se isso irá resolver o problema mais rapidamente.

Esse são só alguns benefícios que o consumo diário de água vai trazer para o seu organismo. Lembre de consultar um especialista se possuir algum problema mais grave.

Fonte: Melhor Com Saúde

 

Problemas intestinais

Os problemas intestinais atingem uma grande parcela da população. Muitas pessoas sofrem com a Síndrome do Intestino Irritável, que é um desconforto intestinal caracterizado por prisão de ventre ou diarréia e dores abdominais causadas por cólicas e gases.

Também conhecida como intestino irritado, esse síndrome é uma das principais desordens digestivas no mundo. Ela pode afetar pessoas de qualquer faixa etária. Encontrada com mais frequência em pessoas entre 20 e 40 anos, é em sua maioria em mulheres.

Combatendo os problemas intestinais

Uma digestão difícil, em sua maioria, é resultado da má escolha dos alimentos. Logo, é importante ter uma alimentação balanceada. Atitudes como baixa ingestão de água e alimentos ricos em fibras acaba atrasando o funcionamento do intestino, o que causa desconfortos como o inchaço é uma pele marcada por acne, que é causado pelo excesso de toxinas no organismo.

Veja algumas dicas que poderão te ajudar a manter o bom funcionamento do seu intestino.

Água

A água ajuda na digestão dos alimentos, pois ela impede o ressecamento das fezes, que é um problema comum em pessoas que demoram para ir ao banheiro. Ingerir dois litros de água por dia ajudam a manter um bom funcionamento do organismo.

Alimentos integrais

Uma porção de alimentos integrais como arroz, trigo, milho, aveia, granola, entre outros, por dia também poderá trazer bons resultados para o funcionamento do seu intestino, por ser alimentos ricos em fibras.

Alimentos crus

Consumir verduras e legumes crus, além das vitaminas, gera muitas fibras para o seu organismo. É importante lembrar de mastigar bem.

Essas são apenas algumas dicas que você pode acrescentar no seu dia-a-dia. É importante frisar, que se os problemas forem mais graves é essencial o acompanhamento de um profissional. Apenas um especialista irá encontrar a solução ideal para o seu problema intestinal.

Fonte: Minha Vida

Cuidados com os olhos

É comum as pessoas darem atenção para os olhos apenas quando acontece alguma enfermidade, como conjuntivite, terçol, cisco, irritações, ou problemas de visão, como miopia, astigmatismo, entre outros.

Veja alguns cuidados que devem fazer parte da sua rotina, para manter a saúde de seus olhos em bom estado.

Exame oftalmológico

Visite seu oftalmologista para fazer um exame completo, assim você poderá ter certeza que seus olhos estão saudáveis, ou tratar qualquer problema que possa ter. Sem contar que existem doenças que não apresentam sintomas, e com o exame, você poderá detectar patologias em estágio inicial.

Alimentação correta

Manter uma dieta rica em vegetais é muito importante para a sua saúde ocular. Alimentos como espinafre e couve possuem Caratenóides, como Luteína e Zeaxatina, os quais desempenham um papel muito importante para a visão, ele ajudam a diminuir a degeneração natural que ocorre com a idade.

Óculos de sol

Óculos escuros desempenham uma tarefa muito importante, defendendo os olhos dos raios ultravioletas. É essencial escolher olhos que sejam capazes de bloquear de 99  a 100% dos raios UVA e UVB.

Descanse os olhos

Ao passar muito tempo no computador ou concentrado em algum ponto fixo, os olhos tendem a ficar cansados. Uma dica para descansar os olhos é olhar para longe, pelo menos por um minuto. Isso poderá reduzir a fadiga ocular, reduzindo também as dores de cabeça.

Olhos lubrificados

Se sentir os olhos muito secos, utilize colírios lubrificantes, para evitar irritações. Consulte seu oftalmologista é descubra que tipo de colírio é o melhor para a sua situação.

Esses simples cuidados podem poupar seus olhos de sofrer com alguma patologia. Lembre-se de sempre que sentir algum sintoma, consultar seu oftalmologista.

Fonte: Mundo Simples

Alimentação infantil

Um assunto muito importante a ser tratado é a alimentação infantil. A fase de dois a seis anos, é considerada de extrema importância, uma vez que nessa época a criança começa a desenvolver sua independência e criar hábitos alimentares. É na escola que a criança vai ter o primeiro contato com refeições fora de casa, fazendo com que ela seja exposta a alimentos que não faziam parte de suas refeições, até então.

É essencial que a escola é família participem juntos da educação alimentar das crianças, desenvolvendo nelas atitudes positivas com os alimentos, fazendo a criança entender a relação entre uma boa alimentação é a saúde.

Veja algumas dicas para conseguir fazer manter a alimentação das crianças saudáveis:

Horários para as refeições

É importante criar uma rotina alimentar, em que a criança tenha o hábito de fazer as refeições do café da manhã, almoço e jantar. Fazer as refeições em família irá melhorar o relacionamento, além de oferecer um exemplo de comportamento para as crianças.

Atitudes familiares

As crianças não aprendem apenas com suas experiências, mas também com o que observam. A família deve manter o cuidado para não criar um ambiente propício à alimentação excessiva, e um estilo de vida sedentário.

Cor e diversão

Ofereça as crianças pratos coloridos e servidos de maneiras divertidas, podendo fazer desenhos com a comida. Para tornar o momento da refeição mais divertido.

Cardápios variados

Misture alimentos que a criança gosta, com alguns que ainda não conhece, assim suas aversão à comida será menor.

Realizar boas escolhas alimentares é um andamento gradativo, que possui consequências a curto e longo prazo para a saúde. Porém uma boa educação alimentar fará das crianças, adultos saudáveis.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria

 

Cólicas infantis: possíveis causas e como evitar

As cólicas infantis são aqueles períodos de intenso choro no bebê. Não se sabe exatamente como se produz as cólicas infantis, porém acredita-se em alguns fatores que podem causá-las.

Fatores que podem causar cólicas infantis

Digestivos: a flora intestinal pode sofrer algumas alterações, junto de problemas para expelir gases. Isso acontece pelas contrações espasmódicas que são produzidas no músculo liso do intestino, combinado com a imaturidade do sistema digestivo.

Dieta: as cólicas podem ocorrer devido a dieta que a mãe tem. Ou a alergias que a criança possa ter por algum alimento.

Psicológicas: outra causa, pode ser uma resposta da criança para ansiedade excessiva de seus pais pelo choro é inexperiência.

Como tratar as cólicas

É fundamental saber do que se alimenta a mãe e o bebê. Durante a amamentação, a mãe deve evitar consumir laticínios, uma vez que esses alimentos podem causar intolerância no bebê.

Para saber a causa real, e como tratar é importante consultar um profissional, que irá auxiliar a família a tratar o bebê da melhor maneira possível.

Fonte: Saúde Dicas