Apendicite: saiba mais sobre essa condição

Apendicite é uma inflamação no apêndice, que se localiza próxima aos lado direito do intestino grosso. Esse problema se dá quando um corpo estranho, como pequenas porções de fezes, um parasita ou até sementes de frutas, obstrui essa estrutura, causando um inchaço e o aparecimento de um abcesso em sua ponta. Quando há essa secreção, acaba favorecendo a proliferação de bactérias.

Alguns sintomas são dores abdominais constantes na região do umbigo, inchaço abdominal, febre, vômito, entre outros.

Fatores de risco

A condição pode ocorrer com pessoas de qualquer idade, sendo mais frequente entre 10 é 30 anos. É importante buscar ajuda médica sempre que haver uma dor abdominal aguda, especialmente se ocorrer em uma criança, que tem dificuldade de explicar o que está sentindo.

Prevenção

Uma dieta rica em fibras, frutas e verduras pode ajudar a diminuir o risco do estacionamento de secreções no apêndice, uma vez que apendicite é um problema associado ao funcionamento do intestino.

Diagnóstico

Além do relato dos sintomas, o médico irá apalpar a região mais baixa à direita do abdômen, se ocorrer uma dor intensa nesse momento, pode-se indicar a presença de uma inflamação. Ainda, é solicitado um hemograma, que irá indicar se há mesmo a infecção. Ultrassom, radiologia e tomografia também são exames que podem auxiliar na exploração.
Tratamento

Para receber o tratamento adequado é essencial consultar com um médico especialista. Ele poderá receitar antibióticos, porém o único método com 100% de garantia e a extração do apêndice. Se sentir qualquer sintoma busque um médico e resolva seu problema.

Fonte: Saúde Abril

Cólicas infantis: possíveis causas e como evitar

As cólicas infantis são aqueles períodos de intenso choro no bebê. Não se sabe exatamente como se produz as cólicas infantis, porém acredita-se em alguns fatores que podem causá-las.

Fatores que podem causar cólicas infantis

Digestivos: a flora intestinal pode sofrer algumas alterações, junto de problemas para expelir gases. Isso acontece pelas contrações espasmódicas que são produzidas no músculo liso do intestino, combinado com a imaturidade do sistema digestivo.

Dieta: as cólicas podem ocorrer devido a dieta que a mãe tem. Ou a alergias que a criança possa ter por algum alimento.

Psicológicas: outra causa, pode ser uma resposta da criança para ansiedade excessiva de seus pais pelo choro é inexperiência.

Como tratar as cólicas

É fundamental saber do que se alimenta a mãe e o bebê. Durante a amamentação, a mãe deve evitar consumir laticínios, uma vez que esses alimentos podem causar intolerância no bebê.

Para saber a causa real, e como tratar é importante consultar um profissional, que irá auxiliar a família a tratar o bebê da melhor maneira possível.

Fonte: Saúde Dicas

 

Sinais que a sua saúde bucal da para o seu organismo

A sua saúde bucal pode dizer muito sobre possíveis problemas no seu organismo. A boca acomoda uma grande quantidade de micro-organismos que habitam na superfície dos dentes, ou na própria mucosa, isso forma um ecossistema chamado biofilme, também conhecido como placa bacteriana. As bactérias podem propiciar doenças locais, como a cárie, gengivite e periodontite. Mas também podem estimular disfunções em outras partes do corpo.

Veja alguns alertas que sua saúde bucal dá para o seu corpo, e veja como prevenir.

Saburra

Também chamada de biofilme lingual, ela é composta por células descamadas, restos alimentares e bactérias no dorso da língua, pode ter a coloração esbranquiçada, amarelada ou amarronzada. Ela pode ser ocasionada na diminuição da produção de saliva, ou com a descamação de pele da mucosa bucal acima do habitual.

As bactérias presentes presentes na saburra degradam proteínas, produzindo compostos sulfurados, responsáveis pelo mau hálito. Dentre as bactérias existente na saburra lingual estão algumas espécies que são capazes de causar doenças como gastrite, pneumonia, endocardite bacteriana, parada cardíaca, acidente vascular cerebral, entre outros.

Feridas e bolhas

As feridas e bolhas podem surgir em qualquer região no interior da boca. Essas bolhas podem ser causadas por alguma doença inflamatória do intestino, por reações alérgicas, queda de imunidade, entre outras causas.

Há também algumas feridas e bolhas que surgem em momentos de estresse, e podem não ter uma causa específica. Porém, elas podem ser um sintoma de herpes. A qual é uma doença contagiosa, sua transmissão ocorre geralmente na infância. Ela pode se ocorrer devido a exposição excessiva ao sol ou a radiação ultravioleta, temperaturas baixas, febre, infecções, estresse físico ou mental, distúrbios gastrointestinais, gripes, resfriados, menstruação, gravidez e uso de corticoides. As pessoas com deficiências imunológicas, a herpes pode causar complicações, pois o organismo tem a resistência baixíssima, assim, fica vulnerável a infecções.

Aftas

Feridas branco-amareladas que surgem na língua, lábios, parte interna das bochechas, e garganta são lesões que podem causar muita dor. Normalmente as aftas somem em até duas semanas sem deixar cicatriz. Porém, dependendo da imunidade da pessoa, elas podem demorar até seis semanas para cicatrizar.

Fatores como estresse, alterações hormonais, alergias a alimentos, traumas físicos causados por mordidas.

Qualquer desses sinais, ou outros que considere preocupante, busque um profissional. Assim, poderá evitar que problemas mais graves venham a acontecer.

Fonte: Minha Vida

 

Perigos do sol para a pele

A pele é o maior órgão do corpo humano, ela cobre e protege todo o organismo. Por isso ela precisa de muito cuidado, se não pode apresentar algumas adversidades, como ressecamento, queimaduras, alterações de cor, e até câncer de pele.

A exposição de sol em excesso é responsável pelas condições citadas acima. Para evitar tais problemas, é importante ficar atento aos perigos, e utilizar o filtro solar diariamente. Os raios ultravioletas entram no planeta de forma cada vez mais nociva para a pele, causando vermelhidão, queimaduras, envelhecimento precoce, e o câncer de pele.

Doenças causadas pelo sol

Existem algumas doenças que surgem com mais frequência durante o verão, e que agridem principalmente a pele. Combinando praia, areia, piscina com a pele são condições ideais para o surgimento de micoses, brotoejas, acnes, entre outras. Os cuidados com a pele no verão devem ser abundantes, utilizando outros meios, além do protetor solar.

Cuidados da pele

Como o corpo transpira muito por causa do calor, é essencial beber bastante água para hidratar a pele. É importante higienizar bem o rosto, é aplicar filtro solar, independente se vá ficar exposto ao sol. Antes de dormir higienize bem a pele novamente, e utilize hidratantes, principalmente com vitamina C.

Deve-se evitar se expor ao sol entre as 10 horas da manhã é 16 horas da tarde, pois são nesses horários que a radiação UVB está mais forte. Para evitar o envelhecimento precoce, que se dá pelo raios UVAS, e importante a utilização de protetor solar.

A pele deve ser higienizada e hidratada. Esfoliar a pele, e uma ação que fica banida, pois elas facilitam o surgimento de manchas.

Para saber quais produtos são indicados para o seu tipo de pele, e prevenir possíveis doenças, é importante consultar um dermatologista.

Fonte: Saúde Medicina

 

Déficit de Atenção: Um transtorno neuro-comportamental

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma síndrome que se caracteriza pela distração, agitação/hiperatividade, impulsividade, esquecimento, desorganização, entre outras.

É normal que as pessoas apresentem estas características. Entretanto quando são muito intensas, pode ser algo mais sério, como o TDAH. Se este for o caso, é importante consultar um especialista para diagnosticar e tratar, assim, prevenindo e aliviando.

Causas do Transtorno de Déficit de Atenção

O TDAH é um transtorno associado a uma disfunção em áreas do córtex cerebral, o qual é conhecido como Lobo Pré-Frontal. Quando tem seu funcionamento prejudicado tem-se dificuldades com a concentração, memória, hiperatividade e impulsividade, assim, dando origem ao TDAH.

Ao estudar, ler e praticar outras atividades que exigem concentração, o cérebro aumenta os níveis de ativação, para desempenhar todas exigências. Em casos de TDAH uma quantidade significativa de neurônios pulsam mais lentamente que o desejado, principalmente quando é exigido mais esforço mental e, como consequência, maior ativação.

Diagnóstico para TDAH

Apenas com um diagnóstico claro e possível encontrar tratamentos eficazes, considerando as necessidades de longo prazo, e sem comprometer as necessidades de curto prazo. Os cuidados são indispensáveis em caso de suspeita de TDAH, pois existem outros problemas que podem se assemelhar com seus sintomas.

Outra situação que se deve ter atenção durante o diagnóstico de TDAH, é a chance de ocorrer outros problemas ao mesmo tempo, isso é chamado de comorbidade, esses quadros tornam o processo de diagnóstico mais complexo. Essas comorbidades devem ser contempladas nos tratamentos, a fim de alcançar os resultados esperados.

Tratamentos

Com o passar dos casos, ficou cada vez mais claro que o Transtorno de Déficit de Atenção não é apenas uma disfunção cerebral. Assim, os tratamento apenas com medicamentos foram constatados como insuficientes para chegar aos resultados. Existem vários tratamentos que podem ser utilizados para atender as necessidades específicas.

Fonte: Instituto Paulista de Déficit de Atenção

 

Intolerância à Lactose: causas e sintomas

A intolerância à lactose, também conhecida como deficiência de lactase, se dá pela insuficiência do corpo em digerir a lactose. A lactose é um tipo de açúcar que se encontra no leite, e derivados.

Causas

A intolerância à lactose acontece quando o intestino delgado interrompe a produção necessária da enzima lactose. A sua função é de quebrar as moléculas de lactose é transformá-las em glucose e galactose. A existência de lactose no organismo ocorre por meio da ingestão de leite e derivados.

As suas causas podem variar de acordo com seu tipo:

Intolerância à lactose primária

Durante o período infantil o corpo produz muita enzima lactase, uma vez que o leite é a fonte primária de nutrição durante o crescimento. Conforme a pessoa for envelhecendo, o corpo diminui a produção de lactase . E com o tempo essa redução na produção de lactase pode levar a um quadro de intolerância à lactose.

Intolerância à lactose secundária

Esse tipo se dá quando o intestino delgado deixa de produzir a quantidade normal de lactase devido alguma doença, cirurgia ou ferimento. Doença celíaca, gastroenterire e a doença de Crohn, são algumas condições de podem levar à intolerância à lactose. O tratamento da situação intrínseca a esse tipo de intolerância pode solucinar o problema.

Intolerância à lactose congênita

Embora seja raro, é possível que bebês nasçam com intolerância à lactose, devido a uma deficiência total de lactase no organismo. Essa condição é conhecida como herança autossômica recessiva, sendo passada de geração em geração. Assim, sendo necessário que tanto o pai quanto a mãe precisam propagar o gene da intolerância à lactose para o filho, para que ele apresente o problema.

Sintomas da intolerância à lactose

os sintomas normalmente começam entre trinta minutos e duas horas depois da pessoa ingerir alimentos ou bebidas com lactose. Alguns sintomas são:

  • Diarreia
  • Náuseas, e às vezes vômito
  • Dores abdominais
  • Inchaço

A intensidade dos sintomas pode variar de acordo com o momento, mas costumam ser suaves.

Caso perceba algum dos sintomas citados, e suspeitar que estejam ligados à ingestão de lactose, procure um médico e explique a situação.

Fonte: Minha Vida

Osteoporose fique atento

A osteoporose é uma doença metabólica, sistêmica, que acomete os ossos. As mulheres são a maioria que sofre dessa doença, estima-se que a proporção de osteoporose para homens e mulheres seja de seis mulheres, para um homem, a partir dos 50 anos, e duas mulheres para um homem a cima dos 60 anos.

Com o passar do tempo o tecido ósseo vai envelhecendo, assim como todas as outras células do corpo humano. E esse tecido ósseo velho é destruído pelas células osteoclastos, e assim, são criadas pelas células reconstrutoras os osteoblastos. O processo de destruição das células é chamado de reabsorção óssea, e ele fica comprometido na osteoporose, uma vez que o corpo passa a absorver mais do que produzir o osso, ou ainda, não produz o suficiente. Existem problemas que podem afetar a formação dos ossos, com: deficiência de cálcio, envelhecimento e menopausa, doenças ou medicamentos.

Há alguns fatores de risco, que propiciam a doença:

Fatores de risco

  • Histórico familiar de osteoporose
  • Histórico prévio de fratura
  • Tabagismo
  • Pouca atividade física
  • Baixa ingestão de cálcio
  • Pouca exposição ao sol
  • Alcoolismo
  • Imobilização
  • Amenorreia (ausência de períodos menstruais) por um período longo
  • Peso corporal baixo

Sintomas da Osteoporose

É uma doença silenciosa, e dificilmente apresenta sintomos, sendo expressa por faturas com pouco, ou nenhum trauma, sendo frequente no fêmur, colo do fêmur, coluna e punho. Alguns sintomas que podem surgir com o avanço da doença:

  • Dor ou sensibilidade nos ossos
  • Diminuição da estatura com o passar do tempo
  • Dores na região lombar ou pescoço, por fraturas nos ossos da coluna vertebral

Prevenção

É importante seguir uma dieta balanceada, com quantidades ideais de cálcio e vitamina D, evitar o consumo de álcool excessivo, não fumar, manter uma prática regular de exercícios físicos, fazer a densitometria óssea anualmente, a partir dos 50 anos.

Fonte: Minha Vida.

 

Perigos da automedicação

É comum muitas vezes as pessoas se medicarem por conta própria, por ser visto como uma solução rápida para o alívio de sintomas. Porém, a automedicação pode trazer graves consequências.

O uso de remédios de forma incorreta pode agravar os sintomas de uma doença. A  inadequada utilização pode camuflar alguns sintomas. Se o remédio for antibiótico deve-se ter a atenção redobrada. Seu uso abusivo possibilita o aumento de resistência de microrganismos, comprometendo a eficácia dos tratamentos.

Quando se combina inadequadamente remédios, um medicamento pode anular ou potencializar o efeito do outro. O uso de medicações de maneira errônea pode, ainda, trazer consequências como: reações alérgicas, dependência e até morte.

Uso irracional de medicamento

  • Uso abusivo de medicamentos
  • Prescrição em desacordo com as diretrizes clínicas
  • Automedicação inadequada

Em caso de emergência

Nos casos de emergência, muitas pessoas recorrem à automedicação, por ser mais rápido, muitas vezes o médico não se encontra disponível. E para essas situações existem alguns conselhos que podem ser seguidos, a fim de praticar uma automedicação responsável:

  • Ler atentamente o folheto informativo antes de utilizar qualquer medicamento
  • Verificar se a composição do medicamento não provoca nenhum tipo de interação com outros medicamentos que você esteja tomando
  • Se os sintomas persistirem, consulte seu médico ou farmacêutico
  • Verifique se o medicamento está dentro do prazo de validade
  • Não ultrapasse o período de tratamento
  • Em caso de surgir efeitos secundários adversos, consulte imediatamente seu médico
  • Guarde medicamentos em locais secos e fora do alcance de crianças.

Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

 

Infecção urinária na mulher

A infecção urinária se deve pela presença de microrganismos em alguma região do trato urinário. Há pessoas, em sua maioria mulheres, que apresentam bactérias no trato urinário, mas não desenvolvem a infecção. Tem-se como principais causas: relação sexual e presença de bactérias do trato gastrointestinal, que migram até a bexiga. A infecção possui dois tipos: cistite (afeta a bexiga) e pielonefrite (afeta os rins).

Sua incidência se dá de 80%  90% em mulheres, principalmente, durante a idade reprodutiva e mulheres na menopausa, isso acontece pela queda do estrogênio e de micro-organismos que protegem a região íntima.

Sintomas

Os principais sintomas na mulher são:

  • Aumento da frequência urinária;
  • Sensação de esvaziamento incompleto;
  • Dor suprapública;
  • Disúria (ardor na uretra durante a miccção);
  • Sangue na urina;
  • Alteração do aspecto físico da urina (aparência turva, coloração escura, odor forte).

Em casos mais graves, pode-se ter dor lombar, febre e mal-estar.

Prevenção

Para prevenir recomendam-se algumas atitudes para ser realizadas diariamente, como:

  • Ingestão de líquidos em grande quantidade;
  • Não reter urina;
  • Micção antes e após relação sexual;
  • Evitar uso do  diafragma e espermicidas;

Exame

Para diagnosticar, o especialista pode solicitar a urocultura com antibiograma. Que é um teste realizado em laboratório, que identifica a sensibilidade a alguns antibióticos do agende causador da doença. Se sentir algum sintoma procure um ginecologista.

Fonte: Gineco

 

Obesidade infantil

A obesidade infantil se dá quando a criança está acima do peso para sua idade e altura. Segunda dados do IBGE, uma a cada três crianças no Brasil está acima do peso adequado. Quando a criança se encontra com alguns quilos acima do seu peso normal, ela pode sofrer algumas complicações até a vida adulta. E por mais que a obesidade seja controlada durante os anos, muitas doenças, como hipertensão, diabetes e colesterol alto, são consequências da obesidade infantil. Ela também pode levar a depressão e baixa autoestima.

Existem alguns fatores que acabam aumentando o risco da obesidade em crianças e adolescente. Como:

  • Uma dieta desequilibrada, rica em alimentos industrializados e congelados, refrigerantes, fast foods, frituras e doces.
  • Sedentarismo, atividade física ajuda a queimar calorias ingeridas, além de melhorar a circulação, fortalece os músculos e ossos.
  • Histórico familiar de obesidade. A obesidade têm influência genética, e maus hábitos alimentares podem ser influenciados em casa, pelos pais.
  • Fatores psicológicos, crianças estressadas ou entediadas podem comer mais do que o normal.

Alguns hábitos podem ajudar a evitar a doença, veja:

Alimentação saudável

É importante investir em frutas, legumes, vegetais. Substituir os alimentos refinados por integrais. Evitar alimentos e bebidas ricos em gordura, açúcar e sódio como bolachas, biscoitos e refeições prontas, refrigerantes, e até sucos industrializados.

Prática de atividade física

Os exercícios físicos ajudam na queima de calorias, fortalecem os ossos e músculos, ajudam a melhorar o humor, e até no sono da criança.

Os especialistas que podem diagnosticar e tratar obesidade infantil são: pediatra, endocrinologista, nutrólogo e nutricionista.

Fonte: Minha Vida