QUAL A IMPORTÂNCIA DA CARDIOLOGIA? 

Esta especialidade trata do estudo e da funcionalidade das doenças relacionadas ao coração, que é um dos órgãos mais importantes do corpo humano. É através do sistema cardiovascular, ou sistema circulatório, que nosso sangue é bombeado e, através dos vasos sanguíneos, chega para o restante do corpo mantendo todos os outros órgãos funcionando.

O médico cardiologista atua na realização de exames clínicos, de diagnósticos, e no planejamento dos melhores tratamentos para as doenças cardiovasculares. É válido ressaltar que qualquer pessoa, independentemente do seu estilo de vida e idade, seja atleta ou sedentário, necessita dos serviços oferecidos pelo médico cardiologista.

 

QUAIS SÃO AS DOENÇAS QUE ATINGEM O CORAÇÃO? 

Inúmeras doenças podem atingir nosso coração, e entre elas estão:

  • Arritmia cardíaca: Se dá quando os impulsos elétricos do coração não funcionam da maneira correta, provocando taquicardia (quando os batimentos ficam acelerados) ou bradicardia (quando os batimentos ficam lentos ou até mesmo irregulares);

  • Hipertensão  arterial: Também conhecida popularmente como pressão alta, é considerada uma doença silenciosa por, muitas vezes, não manifestar sintomas e, consequentemente, atrasar a busca por atendimento e o diagnóstico. Ela se dá quando a pressão arterial do paciente, maior de 18 anos, é superior a 140 x 90 mmHg, ou “14 por 9”;

  • Insuficiência cardíaca: Nestes casos, o coração não consegue mais bombear sangue suficiente para o resto do corpo e assim, não consegue suprir as suas necessidades;

  • Doenças da aorta: As doenças mais comuns da artéria aorta são o aneurisma, a dissecção, e a rotura. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento destas doenças são a aterosclerose, hipertensão arterial sistêmica, idade, tabagismo, diabetes, história familiar e Síndrome de Marfan;

  • Tumores cardíacos: Os pacientes podem sentir sintomas como falta de ar, chegando a ocasionar desmaios, febre, perda de peso, insuficiência cardíaca ou arritmias;

  • Miocardiopatia: São alterações no músculo cardíaco que impedem uma parte ou a totalidade do coração de se contrair normalmente;

  • Endocardite: Esta é a inflamação das estruturas internas do coração, principalmente das válvulas cardíacas;

  • Infarto do miocárdio: Refere-se a necrose de uma parte do músculo cardíaco, causada pela ausência da irrigação sanguínea que impede o transporte de nutrientes e de oxigênio ao coração.

COMO PREVENIR DOENÇAS CARDIOVASCULARES? 

Alguns fatores podem ajudar a diminuir as chances de você adquirir doenças cardiovasculares, entre eles destacam-se:

  • Acompanhamento médico: é extremamente importante para que possamos prevenir todos os tipos de doenças, não sendo diferente quando nos referimos ao médico cardiologista.

  • Evitar o tabagismo é um dos fatores que poderá lhe ajudar a evitar doenças cardiovasculares. Troque o vício do cigarro pela prática de atividades físicas e por uma boa alimentação.

  • Evitar a obesidade é outro fator muito importante para a prevenção de doenças cardiovasculares. Através de uma alimentação saudável e a prática diária de esportes é possível evitar não apenas doenças cardiovasculares, mas também outros tantos tipos de doenças.

  • Boas práticas de vida como boa alimentação, a prática frequente de exercícios físicos e avaliações cardiológicas periódicas irão manter a sua saúde e a do seu coração.

É importante lembrar que, procurar ajuda de profissionais que possam lhe orientar na adoção de hábitos mais saudáveis de vida e, além disso, receber o acompanhamento de um cardiologista, poderá fazer a diferença na prevenção de complicações ou agravos relacionados ao sistema cardiovascular.

 

 

 

VOCÊ SABE O QUE É TRAUMATOLOGIA? 

A Traumatologia é a especialidade médica responsável por investigar, diagnosticar, tratar e acompanhar casos relacionados a fraturas e lesões nos ossos e tendões provocadas por traumas nos braços, mãos, pernas, pés, coluna, bacia, músculos, tendões e ligamentos.

Atualmente, no Brasil, as áreas da Traumatologia e da Ortopedia são especialidades unificadas, ou seja, que apresentam atuação em conjunto. Por este motivo, geralmente, não há diferenciação entre os setores dos hospitais e as clínicas médicas especializadas que realizam atendimentos relacionados a estas áreas.

 

QUAIS SÃO AS LESÕES MAIS FREQUENTES TRATADAS PELA TRAUMATOLOGIA?

  • Acidentes domésticos;
  • Acidentes de trabalho;
  • Acidentes de carro ou outros meios de transporte;
  • Qualquer choque com violência física que atinja o corpo;
  • Quedas e outros choques mecânicos;
  • Lesões ocorridas durante a prática de esportes.

Além disso, cabe ressaltar que é comum que o médico traumatologista trate lesões que a pessoa já apresente desde o nascimento. Em resumo, toda lesão que afete a locomoção ou a movimentação natural do indivíduo é tratada por esta especialidade da medicina.

 

QUAIS SÃO AS FORMAS DE TRATAMENTO DOS TRAUMAS?

Como esta trata-se de uma área ampla, o tratamento está na dependência de alguns fatores como a gravidade da lesão e do acidente, a área do corpo que foi afetada e o histórico médico de cada paciente.

Entretanto, de maneira geral, os métodos de tratamento utilizados em casos de trauma são:

  • Imobilização (seja com aplicação de gesso ou outros métodos para deixar a parte do corpo afetada imóvel);
  • Cirurgia para fixação do osso quebrado com utilização de pinos, placas e parafusos; Implantação de próteses;
  • Medicamentos;
  • Fisioterapia.

QUANDO DEVO PROCURAR UM MÉDICO TRAUMATOLOGISTA? 

Como falamos anteriormente, esta especialidade não trata apenas dos traumatismos mais severos como, por exemplo, aqueles causados por acidentes. Entre os pacientes que precisam de um traumatologista, as queixas mais comuns são febre, seja ela relacionada ou não às dores nas articulações, braços, pernas, pés, mãos, punhos, além de dores na coluna e nos joelhos e dificuldade para se levantar ou para se locomover.

Estes sintomas, geralmente, estão presentes após um episódio de trauma. Sendo assim, é extremamente importante que você procure atendimento caso apresente sintomas semelhantes.

 

 

DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS PELO SANGUE

O sangue é um importante veículo para inúmeros organismos que, se não forem eliminados pelo sistema imunológico, podem provocar doenças graves nos seres humanos. Muitas dessas doenças são conhecidas por nós e, dentre elas, as mais comuns são:

Hepatite B e C: Essas são doenças causadas por vírus. Eles contaminam o fígado e podem provocar inflamações crônicas ou agudas. Seus sintomas mais frequentes são: dores abdominais, olhos e pele amarelados, febre e urina escura. O período em que este vírus fica incubado varia entre os tipos da doença. No caso da Hepatite B, entre 50 e 180 dias, já para a Hepatite C, entre 70 e 90 dias. Em muitos casos o portador do vírus pode acabar não desenvolvendo a doença, mas ainda assim pode transmiti-lo.

AIDS: É desenvolvida a partir do contágio pelo vírus HIV que ataca as células de defesa do organismo. Após infectadas, as pessoas ficam mais vulneráveis a várias doenças infecciosas que, em muitos casos, podem levá-las à morte. Ela não se manifesta logo após a contaminação e os sintomas (emagrecimento excessivo, queda de cabelo, diarreias frequentes e infecções de repetição, principalmente as respiratórias) podem levar de 3 a 10 anos para aparecer.

Sífilis: Essa é uma doença infecciosa causada por uma bactéria, a Treponema Paladium. A doença se manifesta em 3 etapas diferentes e seu período de incubação é de 2 a 3 semanas após o contágio.

Inicialmente, surgem feridas nos órgãos genitais, tanto nos homens quanto nas mulheres. Essas feridas não doem e, mesmo sem tratamento, desaparecem. Caso não seja devidamente diagnosticada e tratada, mais ou menos 6 meses depois, inicia-se a segunda etapa da doença. Esta etapa é caracterizada pelo aparecimento de manchas avermelhadas pelo corpo, principalmente na palma das mãos e na planta dos pés.

Se, ainda, continuar sem tratamento, surge a terceira etapa, causando problemas no cérebro, coração e ossos. Quando atinge esta terceira etapa, a sífilis pode causar a morte.

Malária: Ela é causada principalmente por parasitas e transmitida pela picada do mosquito Anopheles, que costuma estar presente em áreas recém desmatadas. O período de incubação da malária pode variar de 8 a 16 dias e seus principais sintomas são: febre, calafrios e dor de cabeça que, normalmente, acontecem juntos, no mesmo horário e em dias seguidos.

Doença de Chagas: Esta também é uma doença causada por parasita e é transmitida pelo inseto conhecido como Barbeiro ou Chupança. Este inseto é encontrado na mata, em casas de barro e de madeira. A doença de Chagas atinge o coração e órgãos do aparelho digestivo, comprometendo o seu funcionamento. Na maioria das vezes, a pessoa portadora do parasita pode não apresentar nenhum sintoma da doença por vários anos.

HTLV I e II: Estas são causadas por vírus e atacam as células de defesa do organismo. Mesmo após infectados pelo HTLV, a pessoa pode permanecer por um período de até 20 anos sem sentir nenhum sintoma, entretanto, algumas doenças hematológicas (do sangue) e neurológicas (que atingem o sistema nervoso) podem se manifestar pela presença do HTLV I e II no organismo.

 

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS FORMAS DE CONTÁGIO POR DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS PELO SANGUE?

Várias podem ser as formas de contágio por doenças transmitidas pelo sangue, dentre elas a relação sexual sem uso de preservativo (camisinha), o uso de drogas injetáveis, compartilhando agulhas e seringas, transfusões de sangue não testados, de mãe para filho durante a gravidez, no parto ou através do aleitamento materno nos casos de AIDS, HTLV, Hepatites e Sífilis.

 

QUAIS CUIDADOS DEVEM SER TOMADOS PARA EVITARMOS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS PELO SANGUE?

É fácil ficar protegido contra doenças transmitidas pelo sangue. Basta tomarmos alguns cuidados como usar sempre camisinha durante as relações sexuais, utilizar somente agulhas e seringas estéreis e descartáveis, receber transfusão de sangue somente se comprovadamente testado.

Outra maneira de estar sempre protegido é procurar regularmente um médico. Isso poderá evitar uma série de doenças, afinal, ao mínimo sinal ou sintoma, ele poderá indicar exames apropriados para certificar-se do que esteja acontecendo e assim, descartar suspeitas ou diagnosticar a condição para prescrever o melhor tratamento.

 

 

DOAÇÃO DE SANGUE

DOAÇÃO DE SANGUE

A doação nada mais é do que a retirada, através de uma veia, em um dos braços, de aproximadamente 450 ml de sangue. A coleta é feita por equipes devidamente capacitadas e sob a supervisão de um médico ou enfermeiro, visando sempre garantir o bem estar do doador.

As doações de sangue são de extrema importância para pacientes, vítimas de acidentes, por exemplo, que possam vir a necessitar de transfusão, em casos de cirurgias ou outras situações clínicas.

 

O QUE VOCÊ PRECISA PARA SER UM DOADOR?

  • Ter boas condições de saúde;
  • Apresentar um documento oficial de identidade com foto;
  • Possuir entre 16 e 69 anos de idade.
  • Estar pesando, no mínimo, 50 Kg;
  • Não estar em jejum;
  • Evitar alimentação gordurosa;
  • Ter dormido, pelo menos, 6 horas seguidas antes da doação;
  • Não ter ingerido nenhum tipo de bebida alcoólica nas 12 horas anteriores à doação;
  • Não fumar por, pelo menos, duas horas antecedentes à doação.

É importante lembrar que o limite de idade para a primeira doação é de 60 anos e os candidatos a doadores com idade inferior a 18 anos, deverão estar acompanhados pelos pais ou por responsável legal.

 

O QUE IMPEDE VOCÊ, TEMPORARIAMENTE, DE SER UM DOADOR?

  • Estar gripado ou com febre;
  • Ser gestante ou mãe que amamenta bebê com menos de 12 meses;
  • Estar no período de 90 dias após aborto ou parto normal, e até 180 dias após cesariana;
  • Ter feito tatuagem ou acupuntura nos últimos 12 meses;
  • Estar exposto à situações de risco para a AIDS;
  • Estar com Herpes labial.

 

O QUE IMPEDE VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, DE SER UM DOADOR?

  • Diagnóstico de Doença de Chagas;
  • Ser diagnosticado com Hepatite após os 11 anos de idade;
  • Ser portador do vírus HIV (AIDS), HCV (Hepatite C), HBC (Hepatite B) ou HTLV (retrovírus da mesma família do HIV);
  • Utilizar qualquer tipo de droga injetável.
  • Qualquer outra situação que impeça, temporariamente ou definitivamente, a doação poderá ser verificada durante a entrevista de triagem.

 

DE QUANTO EM QUANTO TEMPO VOCÊ PODE DOAR SANGUE?

O intervalo de tempo varia entre homens e mulheres. No caso dos homens, o intervalo entre doações é de 60 dias. É permitido um máximo de 4 doações ao ano. Já no caso das mulheres, este intervalo é de 90 dias, sendo permitido, no máximo, 3 doações ao ano.

 

QUAIS SÃO AS ETAPAS PARA DOAR SANGUE?

O doador de sangue passa por algumas etapas para realizar a doação:

  1. Cadastro: primeiramente é realizado um cadastro do candidato à doação com a apresentação de documento oficial com foto;
  2. Pré-triagem: nesta etapa, é realizada a verificação dos sinais vitais (pressão arterial, temperatura e batimentos cardíacos), peso e teste de anemia;

  3. Triagem clínica: neste momento, é realizada uma entrevista individual e sigilosa em que são verificados os antecedentes e o estado atual de saúde do candidato à doação, a fim de determinar se a coleta poderá ou não trazer riscos para ele ou para o receptor;

  4. Coleta de sangue: é coletado, aproximadamente, 450ml de sangue, além de amostras para a realização dos testes laboratoriais.

  5. Hidratação: após a doação de sangue o doador receberá um lanche. É recomendado que o doador permaneça, no mínimo, 15 minutos no hemocentro e, além disso, beba bastante líquidos durante o dia.

 

COMO PROCEDER DEPOIS DA DOAÇÃO?

  • O doador não deverá fumar por no mínimo duas horas;
  • Nas 12 horas que sucedem a doação, não deverá praticar exercícios físicos ou atividades perigosas;
  • O doador deverá permanecer no serviço hemoterápico após a doação, por 15 minutos;
  • Ele não deverá carregar peso ou dobrar o braço em que foi realizada a punção, no dia da doação, afim de evitar sangramentos e hematomas;
  • O curativo deverá ser retirado 4 horas após a doação.

 

ONDE VOCÊ PODE DOAR SANGUE EM ERECHIM?

O hemocentro está localizado na rua Emílio Grando, número 135, centro de Erechim. O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 08h às 12h e o telefone para contato é o (54) 3522-5366.

Lembre-se, o sangue não possui nenhum substituto e, sendo assim, a doação voluntária é extremamente importante, afinal uma simples doação pode salvar várias vidas. Toda e qualquer pessoa que se encaixe nos critérios para doação pode doar sangue sem qualquer risco ou prejuízo à saúde.

 

Acidentes de trabalho podem causar danos irreversíveis à visão

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia estima que cerca de 150.000 acidentes oculares ocorrem todo ano no Brasil. A maioria deles acontece com homens de 30 a 40 anos, dentro do ambiente de trabalho, e 85% tem o potencial de deixar sequelas. Mas a boa notícia é que mais de 90% dos acidentes oculares podem ser evitados com medidas de prevenção individual e coletiva.

Veja a seguir os 6 acidentes oculares mais comum na rotina dos trabalhadores:

Queimaduras

Seja pela exposição a agentes químicos ou físicos, as queimaduras podem gerar danos irreversíveis. As queimaduras com solda, por exemplo, podem gerar sintomas até 12 horas após o ocorrido. Nesses casos, dor muito forte, lacrimejamento, aversão à luz e vermelhidão são as reclamações mais comuns.

Contusões

As lesões por contusões se caracterizam por não haver perfuração dos tecidos, os danos são provocados pelo choque de superfícies. Objetos sem ponta ou o próprio maquinário da empresa são frequentemente os culpados, podendo provocar fratura do osso que sustenta a órbita e aumentar a pressão interna. Os sintomas desses acidentes oculares são visão dupla, perda de sensibilidade em parte da pele do rosto, olho roxo e sangramentos.

Presença de corpo estranho

Pequenos fragmentos metálicos, poeira e pequenos retalhos originados de lixadeiras podem cair no olho do trabalhador, o que dá a sensação de incômodo e sintomas de irritação, como lacrimejamento e vermelhidão. O ideal é procurar o serviço de saúde para retirar o corpo estranho, aplicar um colírio e um antibiótico para reduzir o risco de infecções. Caso a córnea seja lesada, pode haver a formação de uma pequena cicatriz que pode prejudicar a visão. Neste caso, a busca por um profissional deve ser prioridade.

Perfurações do globo ocular

Objetos pontiagudos, como facas e estilhaços de madeira, metal ou vidro, quando em contato com o olho, perfuram o globo ocular e distorcem toda a anatomia do olho. Nesses acidentes oculares, como o globo ocular está completamente exposto ao ambiente, o acidentado deve ser encaminhado imediatamente para o serviço de segurança de trabalho da empresa.

Conjuntivite

O ambiente de trabalho pode ser fonte de exposição a alérgenos, como a fumaça e os produtos químicos. Isso contribui para a formação de um quadro de conjuntivite alérgica ou até mesmo para um ótimo cenário de disseminação de conjuntivite infecciosa. Embora esses acontecimentos não entrem no conceito popular de acidente, eles são considerados acidentes de trabalho e devem ser notificados.

Síndrome da visão do computador

Como muitos trabalhos envolvem ficar horas de frente para o computador, essa síndrome está se tornando cada vez mais comum. Geralmente é caracterizada por cansaço visual, ardência nos olhos, lacrimejamento, visão ofuscada, dor de cabeça e sensibilidade à luz.

É importante manter a atenção ao realizar atividades do dia a dia, a fim de evitar possíveis acidentes. Sempre priorizando o seu bem-estar e a sua saúde.

Problemas na visão causam aumento nos acidentes de trânsito

Segundo dados da ONU de janeiro de 2018, O Brasil está em quarto na lista de países com mortes no trânsito. Muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas se as pessoas cuidassem mais de sua visão. Isso é consequência da falta de prevenção da maioria dos brasileiros, os quais só fazem o check-up ocular no momento de renovação da CNH, que acontece a cada 5 anos para motoristas com até 65 anos, e a cada 3 anos para quem já passou dos 65 anos. Nesses períodos entre um check-up e outro, podem ocorrer grandes mudanças na saúde da visão, principalmente a partir dos 40 anos, quando os olhos ficam mais sensíveis a qualquer dano.

Para aqueles que costumam pegar a estrada, seja a trabalho ou a lazer, separamos algumas dicas que podem evitar acidentes na estrada:

Dicas para evitar acidentes da estrada

  • Não esqueça os óculos ou lentes de contato. Conduzir o veículo sem utilizar qualquer dessas lentes corretoras é infração gravíssima, sujeito à multa e retenção do veículo.
  • Lentes amarelas no período da noite pode reduzir a sensação de ofuscamento na estrada.
  • Em viagens mais longas, é aconselhável parar pelo menos a cada duas horas de estrada para lavar o rosto, o que não só lubrifica os olhos ajuda a inibir o sono, que é normal, principalmente a noite.
  • Opte por lentes anti-reflexo e com proteção ultravioleta, para amenizar a luz do sol e proteção à catarata.
  • Se você tem mais do que 40 anos, exames periódicos são mais do que recomendáveis. É após essa idade que a visão cansa, e são mais comuns os casos de presbiopia, catarata e glaucoma.
  • Cuidado! Se o reflexo dos faróis embaça a sua visão por um tempo maior do que o normal talvez esteja na hora de consultar um oftalmologista.

Em resumo, dê atenção especial à sua visão e visite um oftalmologista rotineiramente, além de garantir sua saúde ocular, você poderá evitar futuros problemas a você e sua família.

A importância de fazer consultas periódicas a um oftalmologista

A maioria das pessoas pensa que só deve consultar com um oftalmologista quando está com perda parcial ou total da visão, na verdade a oftalmologia é uma especialidade que se deve ter prevenção. Segundo o censo de 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 6,5 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência visual, a nível mundial esse número chega a 40 milhões, segundo a Organização Mundial da Saúde. Com isso, pode-se ter uma noção do quão importante é o cuidado que se deve ter com visão.

Não importa qual seja a sua idade, é importante que você faça um diagnóstico anualmente junto a um oftalmologista, para ter certeza que está tudo bem, e se não está, tomar medidas para solucionar o quanto antes, o problema. A primeira visita ao oftalmologista deve acontecer logo após o nascimento e aos seis meses, depois com visitas de dois em dois anos, entre os dois e seis anos de idade. Depois desse período a consulta é anual.

Os cuidados com a saúde ocular pode ser dividida em seis fases:

Pré-Natal

Os primeiros cuidados começam durante a gravidez. O acompanhamento pré-natal é muito importante. Os exames solicitados pelo ginecologista ajudam a detectar doenças existentes e que podem comprometer a saúde do bebê, entre elas: rubéola e a toxoplasmose podem causar cegueira e problemas neurológicos.

Recém-nascido

Ao nascer, o bebê enxerga pouco. A visão se desenvolve no decorrer dos anos. A catarata e o glaucoma congênito podem ser detectados com o “teste do olhinho” ou reflexo vermelho. O exame é capaz de detectar várias doenças, entre elas o câncer ocular e a catarata congênita. Bebês podem apresentar nos primeiros dias de vida olhos vermelhos e lacrimejantes (dacriocistite) causados pela obstrução do canal lacrimal.

Infância

A visão alcança a maturidade aos cinco anos. É importante prestar atenção aos sintomas de problemas oculares nas crianças: lacrimejamento excessivo (indícios de obstrução do canal lacrimal ou glaucoma congênito), olho torto (vesguice ou estrabismo), dor de cabeça, mal estar e mesmo forçar a visão para realizar tarefas do cotidiano como ler, desenhar e escrever.

Período Escolar

Nesta etapa da vida os problemas comuns são os refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia).

Adolescência: as doenças refrativas podem ser corrigidas com uso de óculos, lentes de contatos ou ainda pela cirurgia para sanar o problema. No período da adolescência pode ocorrer o aparecimento do ceratocone, provocando irregularidades na córnea. O principal sintoma é coceira excessiva nos olhos. A doença não tem cura. O tratamento ajuda a melhorar a visão e reduzir a deformidade da córnea.

Adulto

Presbiopia popularmente conhecida como vista cansada, coceira nos olhos e lacrimejamento – a grande dificuldade é focalizar objetos próximos. Este problema pode ser solucionado com o uso de óculos e lentes de contato e normalmente ocorre a partir dos 40 anos.

No dia 7 de maio, é celebrado o dia do oftalmologista, uma das especialidades de nossa clínica, com isso, separamos algumas dicas para você manter a sua qualidade na visão:

  • Faça exames de acuidade visual ao menos uma vez ao ano;
  • Jamais use os óculos ou lentes de outras pessoas;
  • Não compre óculos por conta própria;
  • Proteja os olhos do sol usando óculos com lentes que protegem dos raios ultravioleta;
  • Utilize colírios somente por recomendação médica;
  • Use produtos ópticos originais e de qualidade;
  • No caso de irritação, lave-os bem com água corrente.

5 principais doenças do coração para você conhecer

Problemas cardiovasculares estão nas primeiras posições de doenças que mais matam no Brasil. Por isso, é importante conhecer as principais doenças do coração, para cuidar-se e evitar complicações.

Antes de tudo, é importante lembrar que a realização frequente de Check-Ups médicos é a melhor forma para diagnosticar precocemente e tratar enfermidades, que muitas vezes, ainda não manifestaram sintomas.

Alguns fatores causadores das doenças cardiovasculares não podem ser alterados, como a predisposição genética. Porém, maus hábitos agravam as consequências. A falta de exercícios físicos e o não cuidado com a alimentação levam à obesidade, fator que impacta consideravelmente a saúde do coração e coloca o paciente em risco.

 

5 principais doenças do coração

Arritmia

Trata-se de um distúrbio do batimento cardíaco. Quando muito rápido, chama-se taquicardia, quando muito lento, bradicardia, ou mesmo, irregular. A arritmia é causada por problemas no sistema elétrico de condução do coração, motivados por hipertensão, diabetes, artérias bloqueadas, hipertireoidismo, alcoolismo, fumo, consumo exagerado de cafeína, estresse e uso de drogas em geral.

 

Ataque cardíaco (infarto agudo do miocárdio)

Complicação provocada pela falta de sangue e oxigênio no músculo cardíaco, tendo como principais sintomas a transpiração em excesso, falta de ar, dor no peito e mal estar súbito. Ao identificar os sintomas, o paciente deve ser levado imediatamente ao hospital, já que cada minuto sem atendimento, o risco de morte aumenta proporcionalmente.

 

Doença vascular periférica

O acúmulo de gordura nas artérias periféricas (braços e pernas) é o gerador desse problema. Dores nos membros, queda de temperatura local e dormência são os principais sintomas quando acontece essa redução ou obstrução do fluxo sanguíneo.

 

Insuficiência cardíaca

Trata-se de uma complicação em que o coração não possui forças suficientes para bombear o sangue para o resto do corpo. É uma doença que se desenvolve com o passar do tempo, podendo afetar um dos lados do músculo cardíaco ou a totalidade dele. A manifestação pode ocorrer por dois tipos, a Sistólica, quando o coração não consegue bombear o sangue, e a Diastólica, quando os músculos ficam rígidos e não se enchem suficientemente de sangue.

 

Miocardite

Causada principalmente por bactérias, vírus, fungos, protozoários, doenças autoimunes, uso de determinados medicamentos e o consumo exagerado de álcool ou drogas. A miocardite trata-se da inflamação de um músculo do coração, chamado miocárdio e que muitas vezes não apresenta nenhum sintoma.

 

Hábitos importantes para evitar as principais doenças do coração

  • Controlar o colesterol sanguíneo;
  • Prevenir e controlar a diabetes;
  • Prevenir e controlar a hipertensão (pressão alta);
  • Manter um peso saudável;
  • Adotar uma dieta saudável;
  • Praticar exercícios físicos regularmente;
  • Ingerir álcool com moderação;
  • Não fumar.

Doenças respiratórias no outono: saiba como se proteger

O outono é a estação de transição entre o verão e o inverno, e nesta época a temperatura sofre mudanças bruscas. A combinação desse fator com a baixa umidade do ar, são causadores de diversas doenças respiratórias no outono. Devido às baixas temperaturas, as pessoas costumam ficar em locais fechados sem a ventilação de ar, o resultado disso são problemas inflamatórios e alérgicos, como resfriado, gripe, asma, laringite, bronquite, bronquiolite e pneumonia.

Outro fator que colabora com as complicações na saúde é o maior acúmulo de poluentes no ar devido à diminuição das chuvas, da temperatura e a baixa umidade atmosférica. Por isso, para se prevenir de doenças respiratórias no outono é necessário evitar ao máximo ficar por muito tempo em locais com grande circulação de veículos, além é claro, de evitar grandes aglomerações de pessoas.

Otite, sinusite, rinite e conjuntivite são outras patologias que podem se manifestar nessa estação. Todas as pessoas ficam expostas, mas crianças e idosos costumam ser os mais afetados por doenças respiratórias no outono. Isso acontece porque na infância o sistema imunológico ainda está em desenvolvimento, enquanto na terceira idade, esse sistema encontram-se debilitado.

Não é só o sistema respiratório que sofre com o outono, a pele também fica mais ressecada e como resultado, aparecem rachaduras e alergias, isso acontece porque ar mais seco e a baixa temperatura dificultam a dispersão de partículas de água.

 

Proteja-se contra as doenças respiratórias no outono

Se proteger, significa prevenir, por isso:

evite permanecer em ambientes fechados e pouco arejados com outras pessoas

– mantenha o seu organismo hidratado

lave as mãos frequentemente com água e sabonete líquido (e essa dica vale para o ano todo). Sempre que possível, faça também o uso de álcool gel

– tenha uma alimentação adequada e equilibrada com vitaminas e nutrientes que protejam o sistema imunológico

 

Dica extra:

Garanta a saúde do sistema respiratório no outono, mas também cuide da sua pele. Utilize hidratantes específicos para o rosto e outro para o corpo. Por fim, evite banhos muito quentes, pois eles favorecem o ressecamento da pele.

 

Siga as dicas, converse com o seu médico, previna-se de complicações e aproveite o melhor da estação!

Check-up médico completo: uma garantia para sua saúde

A visita ao médico não deve acontecer apenas em casos de dores e problemas com a saúde. É importantíssimo que você faça um Check-Up médico completo na frequência indicada.

O Check-up médio completo trata-se de uma avaliação de rotina que avalia o paciente através de exames que variam de acordo com a idade, sexo e histórico pessoal e familiar do paciente.

Existem dois objetivos principais, são eles:

1 – prevenção de doenças através do diagnóstico precoce.

Muitas vezes é possível prevenir doenças que estão a caminho, seja com a vacinação ou a mudança de atos, como dar início à prática de atividade físicas, por exemplo.

2 – diagnóstico de doenças já instaladas mas que ainda não se manifestaram

No Check-Up médico completo é possível identificar estágios iniciais de doenças como o diabetes, colesterol e hipertensão.

Há cada quanto tempo o Check-up médico completo deve ser realizado?

É importante que você siga as instruções do seu médico, pois é ele que indicará a frequência adequada, de acordo com as necessidades individuais. Entretanto, se você ainda não conversou com o seu médico, você pode ter uma noção do tempo de intervalo entre um Check-Up e outro, nos itens abaixo:

– Adultos saudáveis: de 2 em 2 anos

– Pessoas com fatores de risco (fumantes, obesos e sedentários): 1 vez por ano

– Pacientes com doenças crônicas (hipertensão, diabetes ou câncer): A cada 6 meses

Dicas rápidas para o Check-up

– tenha com você exames anteriores para que sejam também avaliados

– informe sempre para o clínico do Check-up os dados para contato do seu médico

– siga as orientações sugeridas

Quais são os principais exames presentes em um Check-Up médico completo?

– Exame de urina e fezes, para analisar as funções digestivas

– Análise de sangue, que entre outros objetivos, serve para detectar inflamações, infecções e doenças

– Exame oftalmológico, para verificar a saúde dos olhos

– Eletrocardiograma, que detecta possíveis alterações e complicações cardíacas

Atenção, além destes exames citados, o check-up médico da mulher deve conter o Papanicolau, conhecido como preventivo. Já os homens devem realizar exames de ultrassonografia e PSA, para avaliar a próstata.

Lembre-se, estas são apenas algumas informações sobre o check-up médico e os exames mais comumente indicados. É importante que você procure o seu médico e siga as orientações dele, com toda certeza, é ele quem poderá indicar as melhores ações e garantir que a sua saúde esteja em dia.